Royal Canin
Siga-nos no Facebook e Youtube Facebook YouTube
Cão e Gato

Benefícios e vantagens da esterilização

A esterilização tem inúmeros benefícios, tanto para o animal como para o dono

Benefícios para o animal Vantagens para o dono Perguntas mais frequentes
Cão e Gato

Benefícios da esterilização para o animal

A esterilização evita as principais doenças do sistema reprodutor
e diminui o risco de doenças contagiosas e de acidentes. Por este motivo, a esperança de vida dos animais esterilizados pode duplicar.

A esterilização evita as principais doenças do sistema reprodutor

No cão, os tumores testiculares são comuns, sobretudo a partir dos 10 anos de idade, ocorrendo sobretudo em cães criptorquídeos (com um testículo recolhido na cavidade abdominal).
Nestes casos, a esterilização deve ser realizada o mais cedo possível. Os tumores das glândulas perianais (junto do ânus) são mais frequentes nos cães do que nas cadelas.
Mais de 95% dos machos com esta patologia ficam curados após a esterilização. A hiperplasia da próstata é uma doença benigna frequente em cães não esterilizados. Também nesta situação, a esterilização tem um efeito curativo.

A esterilização diminui o risco
de acidentes

Estimulados pelo instinto sexual, os animais não esterilizados têm tendência a fugir, por vezes durante diversos dias. No decurso dessa “aventura”, podem sofrer acidentes de viação, intoxicações e diversos traumatismos na sequência de confrontos com outros animais (mordeduras, arranhadelas, etc.).
Em contrapartida, os animais esterilizados não se afastam muito de casa e, como tal, estão menos expostos a este tipo de acidentes.

A esterilização reduz o risco
de doenças contagiosas

O gato pode contrair doenças contagiosas mortais através do contacto direto com um gato infetado: a leucose felina (FeLV), transmitida através de lambidelas ou por via sexual durante o acasalamento,e a imunodeficiência felina (FIV), transmitida principalmente por mordeduras.
Atualmente, apenas se encontra disponível a vacina anti-leucose. A esterilização constitui a forma mais eficaz de prevenir a FIV, pois diminui o número de contactos que podem conduzir ao contágio.

Sabia que…
as fêmeas não esterilizadas estão mais predispostas a determinadas doenças, nomeadamente partos difíceis, quistos ováricos, infeções uterinas e tumores mamários?

Na gata, 90% dos tumores mamários são malignos!
A cadela não esterilizada apresenta um risco 25% superior de desenvolver tumores mamários ao longo da sua vida. Para uma prevenção mais eficaz deste tipo de tumores, a esterilização deve ser efetuada antes do primeiro cio. A remoção precoce do útero e dos ovários protege permanentemente as fêmeas de todas estas doenças.

Vantagens da esterilização para o dono

A esterilização evita ninhadas não planeadas e permite controlar as populações de animais errantes. Além disso, tem a enorme vantagem de suprimir os comportamentos sexuais tanto do macho como da fêmea, que podem constituir uma fonte de problemas para o dono e de minimizar determinados comportamentos indesejáveis.

A esterilização evita as
ninhadas não planeadas

A esterilização é a forma mais segura e eficaz de evitar gestações indesejadas controlando, desta forma, a superpopulação canina e felina.
A esterilização é, também, o tratamento mais indicado e eficaz para cadelas com gravidez psicológica (pseudogestação). Esta doença ocorre devido a um desequilíbrio de duas hormonas: a prolactina e a progesterona. Contudo, outros fatores também podem contribuir para que ocorra uma gravidez psicológica, tais como as mudanças da rotina diária, a saudade ou a carência.
Os sinais físicos são idênticos aos de uma verdadeira gestação.

A esterilização suprime
os comportamentos sexuais

Na gata, o período de cio manifesta-se através de posturas específicas e, sobretudo, por vocalizações de grande sonoridade, tanto de dia como de noite. A cópula desencadeia a ovulação e a interrupção do cio. Na ausência de um macho, o período de cio pode durar mais de uma semana. Após um periodo de repouso sexual, variável consoante a raça, inicia-se um novo ciclo que se repete várias vezes por ano.
A esterilização suprime de imediato e permanentemente este conjunto de manifestações.

Na cadela, normalmente o cio ocorre duas vezes por ano. Caracteriza-se por corrimento sanguinolento e atração de todos os machos das redondezas, o que obriga o dono a recolher a cadela em casa durante este período.
A esterilização assegura uma maior tranquilidade ao dono.

A esterilização minimiza determinados comportamentos indesejáveis

O cão esterilizado fica, na maioria dos casos, mais dócil. Desta forma, conseguem prevenir-se muitos problemas, nomeadamente a mordedura de pessoas, a agressividade para com o dono (inclusivamente crianças) e a agressividade entre machos. Além disso, a esterilização demonstra eficácia na redução de outros comportamentos indesejáveis, como as marcações com urina em casa, o comportamento de “monta” e as escapadelas para a rua.

No gato não esterilizado, a marcação urinária está ligada à atividade sexual: o macho projeta jatos de urina em superfícies verticais para delimitar o seu território. O odor intenso da urina constitui um sinal olfativo para os outros gatos. No entanto, para o dono representa uma fonte de grandes transtornos. Além disso, em presença de uma gata em cio, o comportamento reprodutivo dá origem a confrontos entre machos, acompanhados de vocalizações. De uma forma geral, a esterilização elimina estes comportamentos e atenua o odor da urina.

Perguntas mais frequentes

Com que idade se deve realizar a esterilização?

De um modo geral, a esterilização efetua-se por volta dos 6 meses. Contudo, foi demonstrado que é possível uma esterilização mais precoce sem que ocorra qualquer consequência sobre o desenvolvimento do animal.

A fêmea deve ter uma ninhada antes de ser esterilizada?

Não. Trata-se de uma ideia geralmente aceite mas sem fundamento científico: o facto de a fêmea ter uma ninhada não tem qualquer efeito benéfico sobre a sua saúde.

Quais são os riscos da ovariohisterectomia/orquiectomia?

A ovariohisterectomia e a orquiectomia são intervenções cirúrgicas com um risco anestésico reduzido e, de uma forma geral, bem toleradas pelo animal. A ovariohisterectomia é, no entanto, uma cirurgia um pouco mais delicada, uma vez que os ovários e o útero se situam na cavidade abdominal.
O animal deve ser mantido em jejum no dia anterior à cirurgia, reintroduzindo-se a alimentação no dia seguinte. Em princípio, o seu comportamento volta ao normal no espaço de 48 horas.

A esterilização evita sempre
a marcação urinária do gato?

Este comportamento tem uma componente sexual, mas também pode ser desencadeado pela ansiedade. Assim, pode observar-se marcação urinária num gato esterilização cujo meio envolvente tenha sido perturbado. Este comportamento regride se forem aplicadas feromonas calmantes nas zonas de marcação.

A esterilização pode resolver os problemas de agressividade?

Os machos podem tornar-se mais agressivos durante o período reprodutivo, se bem que as hormonas sexuais não sejam a única causa de agressividade. A esterilização não transforma todos os felinos em gatos dóceis, mas como os acalma reduz as mordeduras e o custo do respetivo tratamento!

A esterilização impede a fuga do macho?

O macho esterilizado é muito mais sedentário do que o macho não castrado e deixa de ser atraído pela fêmea em cio. No entanto, principalmente o gato, pode conservar o comportamento de exploração do meio exterior, o que o leva a vaguear para longe de sua casa.

Para o dono de um casal de gatos,
é mais importante esterilizar o macho
ou a fêmea?

Se não quiser ter gatinhos deverá esterilizar ambos, para não ter de optar entre a gata em período de cio e o odor intenso da marcação urinária do macho. Deverá privilegiar a esterilização do macho para evitar a aquisição e a persistência de um comportamento de marcação.

É possível esterilizar uma fêmea que já se encontre em cio
ou em gestação?

Durante o período de cio, os ovários estão congestionados e sangram com maior facilidade.
Apesar desse risco ligeiro, alguns médicos veterinários preferem operar do que interromper o cio através de um tratamento hormonal, devido ao risco de infeção uterina. Se a fêmea se encontrar
em gestação, a ovariohisterectomia é fundamental para remover o útero e os embriões.

Um gato esterilizado corre menos riscos de contrair o FIV,
mesmo que saia para o exterior?

Um gato esterilizado com acesso ao exterior pode, efetivamente, ter contactos com outros gatos, mas tem menos tendência para entrar em conflitos e, como tal, está menos exposto
a mordeduras e às respetivas consequências (FIV, abcessos).